sexta-feira, 29 de novembro de 2013

No meu copo 350 - Quinta do Gradil, Arinto e Sauvignon Blanc 2011

Continuando nos brancos, damos um salto à região de Lisboa.

A Quinta do Gradil é uma propriedade situada a poucos quilómetros do Cadaval, entre as povoações de Vilar e Martim Joanes, na região vitivinícola de Lisboa e geograficamente situada na órbita da Denominação de Origem Óbidos, num cenário maravilhoso de planície próxima do sopé da serra de Montejunto. Em tempos idos foi propriedade do Marquês de Pombal.

Nos anos recentes a Quinta do Gradil tem proporcionado aos enófilos a possibilidade de passarem um dia na vindima, tomando contacto com o mundo real que existe para além do que está dentro da garrafa. Quem sabe se um dia destes não nos candidatamos a ir lá...

No mercado dos vinhos da zona de Lisboa, marcados pelo clima atlântico devido à proximidade do mar, têm surgido novidades muito interessantes, pois são vinhos marcados por alguma frescura, ao mesmo tempo que mostram uma estrutura interessante (no caso dos tintos) e aromas com alguma predominância vegetal e bastante mineralidade. Curiosamente, continua a ser nesta região que existe uma maior incidência de apostas nos vinhos monocasta, de que tanto a Quinta do Gradil como a Casa Santos Lima são exemplos relevantes. No caso da Quinta do Gradil, a aposta tem-se centrado tanto nos mono como nos bivarietais, e neste caso foi um exemplar destes últimos que tive à mesa.

As castas Arinto e Sauvignon Blanc têm sido usadas com alguma frequência em combinação no mesmo lote, e geralmente com bons resultados. O Arinto, com a sua acidez característica e que se expressa de modo particularmente exuberante na Estremadura/região de Lisboa, é determinante para a frescura do vinho e uma evidente vivacidade na prova de boca pontuada por notas cítricas e alguma mineralidade. Entretanto o Sauvignon, por natureza com notas mais tropicais e algum perfil mais vegetal, complementa o lote com uma boa estrutura e uma macieza que contrabalança a acidez do Arinto. Daqui resulta uma combinação feliz e bem conseguida, num conjunto marcadamente fresco e apelativo, que se expressa muito bem na companhia de entradas diversas, mariscos ou peixes não demasiado temperados.

Tendo em conta o preço, estamos perante um produto que, sendo fácil de agradar, é bastante acessível e versátil. Portanto, uma boa aposta para brancos não muito pretensiosos e para beber com descontracção.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Quinta do Gradil, Arinto & Sauvignon 2011 (B)
Região: Lisboa (Óbidos)
Produtor: Quinta do Gradil - Sociedade Vitivinícola
Grau alcoólico: 13%
Castas: Arinto, Sauvignon Blanc
Preço em feira de vinhos: 4,75 €
Nota (0 a 10): 7,5

Sem comentários: