quarta-feira, 23 de julho de 2008

Na Wine O’Clock 6 - Brancos da Sogrape



A última prova antes das férias foi novamente com a Sogrape, agora subordinada ao tema dos brancos, de acordo com a época do ano. Foram provados todos os brancos actualmente produzidos pela casa, de norte a sul, mais uma vez apresentados pela simpática Marta Mimoso, representante da empresa já nas provas anteriores.

Começámos pelos verdes, o Quinta de Azevedo e o Morgadio da Torre, um Alvarinho de grande elegância e finura, muito suave, um vinho esplêndido para acompanhar umas boas mariscadas mas também para beber a solo. O Quinta de Azevedo, feito com uma mistura de Arinto e Loureiro, também é bastante elegante e embora com um perfil um pouco mais simples é igualmente muito agradável e versátil para este tempo estival.

Seguiu-se pelo Dão, com o Duque de Viseu e o Quinta dos Carvalhais Encruzado, que já tínhamos provado na sessão dedicada à Quinta dos Carvalhais. Depois passámos pelo Alentejo com o Vinha do Monte, da Herdade do Peso, que me pareceu um pouco pesado, na linha habitual dos brancos alentejanos, para terminar com o Vinha Grande, que supostamente seria o ponto alto da prova, mas que continua a perder para o extinto Sogrape Reserva. Continuo a achá-lo não totalmente conseguido, parece-me faltar-lhe alguma frescura e alguma elegância. Enfim, nem sempre se pode acertar totalmente.

E assim nos despedimos até às provas da próxima temporada.

Kroniketas, enófilo visitante

Sem comentários: