quinta-feira, 15 de maio de 2008

Na Wine O’Clock 3 - Com Paulo Laureano



Mais uma visita à Wine O’Clock, desta vez para uma prova de vinhos de Paulo Laureano, um dos enólogos da moda, com participação em diversos projectos no Alentejo a agora também com um projecto próprio no baixo Alentejo, na zona da Vidigueira, onde é vizinho das Cortes de Cima e da Herdade do Peso.

Foi o próprio Paulo Laureano que esteve presente a mostrar os seus vinhos, subordinados ao seu lema das castas portuguesas. Foram apresentados 4 brancos e 6 tintos que cobrem toda a gama dos vinhos com o seu nome. Alguns varietais, outros em lote, desde o Clássico que na restauração aparece com o nome Singularis, até ao Reserve passando pelo Splendidus e pelo Premium. No final lá apareceu a casta estrangeira da paixão do enólogo, a Alicante Bouschet que ele adoptou como casta portuguesa e alentejana em particular.

É difícil dissertar sobre 10 vinhos provados em tão pouco tempo, porque o mais importante foram as explicações do próprio Paulo Laureano à medida que os vinhos iam sendo provados. Uma autêntica lição.

Os brancos eram de um modo geral bastante frescos, com alguma mineralidade e boa estrutura de boca, sendo o Paulo Laureano Clássico classificado pelo próprio como "vinho de varanda, para beber e namorar", aparecendo depois alguns mais fechados e com aromas tropicais.

No caso dos tintos as diferenças eram um pouco mais acentuadas, dadas as diferentes concepções dos vinhos. Um traço ficou patente: um perfil médio de boa qualidade, mesmo nos mais baratos. São vinhos fáceis sem serem simples, que denotam algum cuidado na sua feitura e que merecem ser apreciados com alguma calma.

Por mim vou ficar atento aos vinhos deste produtor e experimentá-los com mais tempo à medida que for possível. E no próximo sábado há uma prova de brancos que é capaz de também valer a pena.

Kroniketas, enófilo atento

Sem comentários: