sábado, 12 de janeiro de 2019

No meu copo 729 - Forster, Riesling 2014

Este vinho veio directamente da Alemanha, e como era mister tinha de ser um Riesling ou um Gewürztraminer.

Estas duas, como é sabido, são as castas emblemáticas daquele país, reflectindo o clima mais frio graças à sua acidez muito marcada, sendo a sua origem também associada à região da Alsácia, que pertence à França desde a 2ª guerra mundial, depois de várias transições entre este país e a Alemanha ao longo de vários séculos.

Em Portugal ambas as castas também já têm o seu espaço, tanto a norte como a sul, com vários produtores a apostar nelas para os seus vinhos monocastas (desde os da Quinta de Cidrô, a norte, aos da Fiúza ou do Casal de Santa Maria, a sul), mas o perfil deste vinho alemão é diferente daquele a que estamos habituados por cá.

Apresentou um aroma com algumas notas apetroladas, a meias com frutas brancas de pomar. Na boca mostrou-se redondo e elegante, ao mesmo tempo intenso e encorpado, com muita frescura na prova. Final de boca vivo, longo e redondo.

Em suma, muito bom! Uma excelente casta (até há quem a considere a melhor casta branca do mundo) que dá excelentes vinhos.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Forster, Riesling 2014 (B)
Região: Pfalz (Alemanha)
Produtor: Reichsrat Von Buhl – Deidesheim
Grau alcoólico: 12,5%
Casta: Riesling
Nota (0 a 10): 8,5

Sem comentários: