sexta-feira, 11 de setembro de 2015

No meu copo 474 - Lybra branco 2014

Outra bebida provada nas férias foi a versão em branco do Lybra, a marca que substituiu o Vinha da Nora no portefólio da Quinta do Monte d’Oiro.

Numa deslocação a um bar-restaurante em Ferragudo – o Club Nau, na margem oposta do rio Arade em relação a Portimão, já no concelho de Lagoa – houve que escolher um vinho para acompanhar uma cataplana de tamboril. A oferta era interessante e variada, e contrariamente aos preços dos pratos (quase proibitivos) os preços dos vinhos eram razoáveis para restaurante. Tentando fugir um pouco à vulgaridade e sem esticar os custos exageradamente, optámos por este branco da zona de Alenquer.

Sabe-se que o produtor José Bento dos Santos tenta reproduzir na Quinta do Monte d’Oiro a produção das Cotes du Rhône, dada a similitude de clima e terreno. Assim tem usado nos seus vinhos duas castas emblemáticas daquela região vinícola do sudeste de França, o Syrah nos tintos e o Viognier nos brancos. É precisamente o Viognier que vamos encontrar na base deste Lybra branco, complementada com Marsanne e com o portuguesíssimo Arinto.

O resultado é um vinho muito aromático, seco, frutado, suave, longo e fresco e com uma bela acidez. Casou na perfeição com a cataplana e soube tão bem aos comensais que, para acompanhar o bife na pedra que veio a seguir – este sim, a preço absurdo e em quantidade diminuta –, em vez de mudarmos para um tinto continuámos no branco. No final, entre 4 pessoas consumimos 3 garrafas...

Eis um excelente exemplo do aumento de qualidade dos brancos portugueses, e este é mais um que se recomenda. Embora não seja barato, a qualidade é bem acima da média e vale bem o preço que custa.

Parabéns à Quinta do Monte d’Oiro por mais este belo vinho.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Lybra 2014 (B)
Região: Lisboa (Alenquer)
Produtor: José Bento dos Santos - Quinta do Monte d’Oiro
Grau alcoólico: 13%
Castas: Viognier, Arinto, Marsanne
Preço: cerca de 9 €
Nota (0 a 10): 8

Sem comentários: