quinta-feira, 24 de julho de 2014

No meu copo 393 - Artefacto Colheita Seleccionada, Syrah 2010

Este foi um dos vinhos adquiridos numa promoção da revista Sábado que decorreu durante algumas semanas no ano de 2012.

Sendo completamente desconhecido para mim, fui atrás do nome do enólogo, um dos mais conceituados no país e já com um longo trajecto no Alentejo, tendo começado a sua carreira precisamente aí, na Herdade do Esporão.

Embora eu não seja um grande apreciador dos resultados obtidos com os vinhos varietais de Syrah produzidos no Alentejo (ao contrário das grandes loas que são tecidas pela generalidade da crítica especializada, fico sempre com uma sensação enjoativa e de falta de garra e frescura nestes vinhos, e já tive variadíssimos casos destes), este surpreendeu-me pela positiva, mostrando precisamente aquilo que normalmente lhes falta: garra, frescura, persistência, aroma intenso.

Embora ainda proveniente da época em que praticamente todos os vinhos eram produzidos com um grau alcoólico demasiado elevado, este não se mostrou enjoativo nem cansativo, o que abona o trabalho de enologia realizado. Apresentou-se cheio, longo, com boa estrutura e pujança, a pedir pratos exigentes e bem temperados. Fermentou 9 meses em barricas de carvalho americano mas a madeira não se mostra em excesso, estando bem integrada e ajudando a conferir estrutura ao conjunto, apresentando já taninos firmes mas arredondados sem esconder o aroma a fruto maduro.

Tendo sido uma experiência única até agora, confesso que me agradou bastante pois primou sobretudo pelo equilíbrio em todas as componentes. Em suma, valeu a pena.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Artefacto Colheita Seleccionada, Syrah 2010 (T)
Região: Alentejo (Reguengos)
Produtor: Luís Duarte Vinhos
Grau alcoólico: 14,5%
Casta: Syrah
Preço: 7,99 €
Nota (0 a 10): 8

Sem comentários: