sexta-feira, 19 de junho de 2009

A adega de design da Quinta do Encontro


Num sábado destes, quatro dos Comensais Dionisíacos – Kroniketas, tuguinho, Mancha e Politikos – rumaram à Anadia para visitar a Quinta do Encontro. O Mancha tinha um convite e o encontro foi prévia e convenientemente agendado para meio da tarde, a fim de antes os comensais poderem fazer jus ao título. Após recolha dos convivas, a partida de Lisboa aconteceu pelas 11h00. O carro era confortável e veloz e a auto-estrada venceu-se em menos de nada.

Por volta das 13h30 estávamos já refastelados no Pedro dos Leitões, na Mealhada, frente a uma travessa com pedaços dos mesmos, acompanhada de batata frita e salada. A refeição foi regada primeiro com um espumante branco a que logo se seguiu, por sugestão da casa, um espumante tinto da região. O dia estava quente, aquele néctar fresco é guloso e o leitão pedia. O bicho estava no ponto, com a pele estaladiça, como convém. O serviço também foi competente, com alguma proximidade mas sem nunca ser intrusivo. Dois dos convivas ainda se bateram com duas sobremesas sem história, outro com uma aguardente velha e o restante ficou a zeros. Todos alinharam nos cafés.

Mais uns quilómetros, sem GPS mas com mapa e algumas indicações que trazíamos, e demos com facilidade com a Quinta do Encontro. A dita fica situada em S. Lourenço do Bairro, em pleno coração da Bairrada, e deve o seu nome à chamada Cruz do Encontro, espécie de pelourinho que deve ter sido em tempos um ponto de encontro e que o Portugal modernaço logo transformou em rotunda, quase em frente à entrada da Quinta.

Embora até agora se tenha falado na Quinta do Encontro, na verdade o que os Comensais foram ver foi a adega de design da Dão Sul, situada naquela propriedade. No meio dos vinhedos, e sobre um pequeno outeiro, surge um edifício cilíndrico, imponente e com design moderno a fazer lembrar uma secção de uma barrica. O amplo espaço circundante permite o recuo necessário à apreciação da arquitectura do edifício. Este estranha-se na ruralidade circundante mas, percebendo-se as ligações ao vinho presentes nos mais pequenos detalhes, no exterior e no interior, admira-se o arrojo do projecto.

A adega tem três pisos. O térreo onde tem a loja e uma pequena sala de estar e o restaurante. A sala de estar, circular, tem um cariz intimista mas moderno e uma lareira ao centro, cuja chaminé se projecta verticalmente até à clarabóia por onde a luz zenital ilumina o espaço.

O piso superior, concebido para área multiusos, pode servir para reuniões e festas. As vidraças em redor da sala permitem-nos apreciar os vinhedos à volta e divisar as Serras do Caramulo e Buçaco. Muitas delas dão acesso às varandas onde podemos, ao abrigo da estrutura em madeira a lembrar as aduelas de uma pipa, degustar um vinho, utilizando uma espécie de balcão de apoio que circunda o amplo varandim.

O piso inferior, para o qual se desce por uma rampa espiralada cujas luzes, ao nível do chão, se vão acendendo à nossa passagem, é a adega propriamente dita. À medida que vamos imergindo nesta, vamos sentindo a temperatura a baixar. Segundo nos disseram, a adega tem climatização natural, para o que ajuda a estrutura em betão armado revestida no exterior por paredes de pedra e o facto de em parte se situar abaixo do solo. Está equipada com moderna tecnologia de vinificação em que as temperaturas, a fermentação e outros parâmetros são monitorizados por um programa informático. O monitor do PC que gere o programa é, aliás, a fonte de luz mais forte da adega. Ao centro, cubas de inox de vários tamanhos e no corredor que as circunda barricas de madeira onde os néctares estagiam. Podemos apreciar, ainda que à distância, a «zona suja» onde é descarregada, prensada e desengaçada a uva que para ali entra por esteiras rolantes. Notável é a limpeza imaculada de tudo aquilo. Como se costuma dizer, podia lamber-se o chão...

Como remate da visita e para mais tarde degustar, a comunidade mais restrita dos Comensais Dionisíacos adquiriu na loja alguns dos néctares da Quinta e não só, sobre cujas provas a seu tempo falaremos. E ainda tivemos direito à oferta de um espumante branco Quinta do Encontro!

A visita foi agradável, para o que contribuiu a recepção simultaneamente profissional e calorosa da nossa anfitriã.

Resta dizer que a Quinta do Encontro possui 20 hectares, sendo 10 de vinha. Os solos argilo-calcários têm plantadas as castas tintas Baga, Touriga Nacional, Merlot, Cabernet Sauvignon, Tinta Roriz e Castelão e as brancas Bical, Maria Gomes e Arinto.

Foi pena que a visita à Quinta tenha afinal sido só à Adega. Com alguma imaginação, podia-se fazer uma visita a alguns pontos da propriedade. Um vídeo ilustrando o processo de fabrico e o acesso à «zona suja» da adega seriam também aspectos a ter em conta. Mas foi sem dúvida um dia bem passado a repetir nesta e noutras rotas.

Politikos, no papel de eno-escriba convidado, com Kroniketas e tuguinho, diletantes e desta vez ainda mais preguiçosos

Quinta do Encontro - Sociedade Vitivinícola, Lda.
Apartado 246
S. Lourenço do Bairro
3781-907 Anadia
Tel: 231.527.155
Fax: 232.961.203

Sem comentários: