terça-feira, 19 de agosto de 2008

No meu copo, na minha mesa 196 - José de Sousa 2004; Restaurante A Cantina (Olhos d'Água)



Depois de um dia passado num parque aquático com a família e uns amigos, saímos à procura dum local para jantar. Estando perto de Quarteira rumámos em direcção a Albufeira pela estrada nacional 125, passando por várias localidades, entre as quais Boliqueime, e por vários restaurantes de estrada. Acabámos por assentar arraiais num restaurante que os outros já conheciam, em Olhos d’Água, pertencente a um aparthotel.

A nossa figura a entrar no restaurante parecia um pouco deslocada: dois casais com filhos, tudo em calções e t-shirt, com chinelas e sacos de praia. O ambiente e os outros clientes pediam mais fato e gravata, porque aqui o estilo é mais selecto, talvez por isso havia mesas vagas em cima da hora de jantar.

Mas é Verão e somos turistas na nossa própria terra, por isso abancámos calmamente, que a hora já ia adiantada e a fome apertava. Sentámo-nos numa mesa redonda, junto ao armário de vinhos e perto do balcão. Bem decorada, com vários tipos de copos, os empregados vestidos a rigor.

A ementa é vasta e variada. As escolhas recaem num bife Diana, um bife à Cantina e costeletas de borrego com molho de hortelã. O bife à Cantina, alto e com um excelente molho, estava delicioso e suculento, acompanhado de batatas fritas e legumes salteados.

Para beber escolhemos o José de Sousa, da colheita de 2004. A primeira surpresa, pela positiva, foi o facto de o vinho ter vindo para a mesa à temperatura correcta, ligeiramente frio. Foi então explicado que os vinhos são mantidos no armário a uma temperatura constante, aquilo que todos os restaurantes que levam o vinho a sério deviam fazer em vez de os manterem “à temperatura ambiente”, de pé a apanhar o calor do fogão e a levar com as lâmpadas em cima. Um exemplo a seguir, esta forma de tratar os vinhos.

Este clássico alentejano da Casa Agrícola José de Sousa Rosado Fernandes, agora propriedade da José Maria da Fonseca, fermentou parcialmente em ânforas de barro. Apresentou um aroma frutado e complexo, um paladar cheio com taninos firmes mas suaves, com final de boca prolongado, tudo bem integrado com um ligeiro toque de madeira, que aqui aparece na conta certa: sente-se mas não abafa o resto. Em comparação com a colheita de 2003, que tínhamos provado há alguns meses, este revelou-se mais bem estruturado, um vinho mais completo, mais personalizado. Um bom parceiro para pratos de caça, mas esteve muito bem a acompanhar os nossos bifes, pois o frutado e a suavidade da prova equilibraram-se bem com a delicadeza das carnes. Parece estar de volta aos velhos tempos.

O preço da refeição, para a qualidade que teve, não foi nada exagerado, e tendo em conta a qualidade do serviço e da confecção este restaurante ficará como uma referência para possíveis visitas de Verão. Ainda bem que no meio da mediocridade que muitas vezes faz lei na restauração turística do nosso país ainda se conseguem encontrar estas ilhas de qualidade indiscutível. É a diferença que faz quem leva o negócio a sério.

Kroniketas, enófilo veraneante

Vinho: José de Sousa 2004 (T)
Região: Alentejo (Reguengos)
Produtor: José Maria da Fonseca
Grau alcoólico: 13,5%
Castas: Trincadeira, Aragonês, Grand Noir
Preço em feira de vinhos: 6,09 €
Nota (0 a 10): 8

Restaurante: A Cantina
Aparthotel Olhos d’Água
Olhos d’Água
8200 Albufeira
Tel: 289.580.385
Preço por refeição: 25 €
Nota (0 a 5): 4,5

Sem comentários: