domingo, 22 de março de 2015

No meu copo 440 - Quinta do Mouro 2006

Este é um dos nomes que se têm imposto no panorama dos vinhos alentejanos, não só pelo perfil dos vinhos mas também pelo perfil irreverente, e contra os padrões estabelecidos, do produtor.

Produzido na zona de Estremoz (sub-região de Borba), actualmente berço de um elevado número de vinhos com grande cartaz tanto no Alentejo como no país, é um vinho com o perfil de alentejano clássico, concentrado, intenso, com notas de compotas e frutos maduros, taninos firmes mas já arredondados. Na boca apresenta-se pujante, robusto e encorpado, a pedir comidas com alguma potência. Notas de madeira que não incomodam, bem integradas no conjunto, ajudam a dar-lhe muita complexidade.

Muito fechado no início da prova, requer que lhe demos tempo para respirar e para se mostrar – uma característica frequente nos grande vinhos, que não mostram tudo o que são logo no primeiro contacto.

É um belo vinho, que mais uma vez tem o preço como principal obstáculo, pois a qualidade é digna de todos os encómios. Em todo o caso, é um daqueles que justificam que se perca o amor a duas dezenas de euros porque vale a pena experimentá-lo.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Quinta do Mouro 2006 (T)
Região: Alentejo (Estremoz - Borba)
Produtor: Miguel Viegas Louro
Grau alcoólico: 14%
Castas: Aragonês, Alicante Bouschet, Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon
Preço: 22,98 €
Nota (0 a 10): 8,5

Sem comentários: