sábado, 4 de outubro de 2014

No meu copo 407 - Collares V. S. 1994

Foi com algum receio que abrimos esta garrafa, na companhia de outras com vinhos mais robustos, para acompanhar um jantar de costeletas de novilho grelhadas com uma versão quase completa dos “Comensais Dionisíacos”. O tuguinho insistia que o vinho seria demasiado delicado e que pediria um prato mais suave. Eu contrapus que alguma vez teríamos de bebê-lo e que quase sempre comíamos bifes ou costeletas, portanto não havia grandes alternativas.

A razão, felizmente, esteve do meu lado. O vinho aguentou-se esplendorosamente, não ficou abafado pelos temperos da comida, e quanto mais o bebíamos mais apetecia beber. Com 20 anos de idade, apresentou uma frescura e uma persistência notáveis, mostrando-se suave, macio, elegante, com excelente acidez e final longo. Os aromas frutados, claro, não estão muito presentes, mas aparece no seu lugar uma complexidade aromática e de sabor, com aromas terciários a libertarem-se do copo e percorrendo o palato enquanto rodamos o vinho pela boca.

Para uma região que quase deixou de existir e ficou reduzida a uma expressão mínima, não há dúvida que cada garrafa que abrimos é uma agradável surpresa, ficando a sensação de que os vinhos de Colares são quase eternos. Muitas vezes quase imbebíveis enquanto novos, envelhecem nobremente e parecem sempre melhorar com o tempo. E veja-se como o baixo grau alcoólico em nada prejudica o envelhecimento, pois embora mais delgado de corpo, a acidez e persistência na boca compensam largamente a baixa graduação, pelo que o vinho não se esvai no palato nem na garganta.

Esta garrafa foi adquirida pelo saudoso Mancha, que há um ano nos deixou, pelo que brindámos à sua memória da melhor forma. O vinho parece eterno, assim como é a sua lembrança nas nossas memórias.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Collares V. S. (Visconde de Salreu) 1994 (T)
Região: Colares
Produtor: António Bernardino Paulo da Silva
Grau alcoólico: 11%
Castas: não indicadas
Preço: 19,55 €
Nota (0 a 10): 9

Sem comentários: