terça-feira, 7 de janeiro de 2014

No meu copo 358 - Vinhos a caminho dos 10 anos (2): Tintos do Ribatejo

Fiúza Premium 2003; Herdade de Muge 2004; Casa Cadaval, Cabernet Sauvignon 2004




Continuando com o desbaste de alguns exemplares “esquecidos” na garrafeira, vamos agora para três exemplares do Tejo, produzidos por duas das casas que mais têm contribuído para a recuperação da imagem da região no panorama vitivinícola, com vinhos de qualidade inquestionável e características muito próprias, a tender para a modernidade e a fugir do “carrascão” do garrafão de 5 litros.

A aposta em castas estrangeiras em lote com outras castas nacionais tem permitido obter vinhos com boa estrutura e também alguma frescura que não era muito frequente. Este aspecto, aliás, verifica-se de modo mais evidente nos muitos brancos à disposição no mercado, tanto no Tejo como noutras regiões.

A Fiúza tem sido uma das empresas a apostar em diversos vinhos mono ou bivarietais, enquanto a Casa Cadaval tem igualmente vinhos monocasta emblemáticos.

Nesta prova falamos de um vinho monocasta e de dois vinhos de lote bem conseguidos.

- Fiúza Premium 2003: boa estrutura e muita frescura na boca, sem sinais de declínio. Bifes e carnes não muito condimentadas foram boa companhia. Estagiou 8 meses em barricas novas de carvalho, seguindo-se 5 meses em garrafa.

- Herdade de Muge 2004: comprado em Outubro de 2006, no contra-rótulo aconselhava-se o consumo imediato ou guarda até 6 anos, portanto fizemo-lo no limite do prazo aconselhado. Aromático, estruturado e suave. Aroma a frutos vermelhos, especiarias e ligeiro vegetal. Enologia de Rui Reguinga.

- Casa Cadaval, Cabernet Sauvignon 2004: este é um clássico da casa, e um dos mais resistentes em termos de produção desta casta em estreme. Outros vêm e vão, este mantém-se. Ao longo dos anos tem mantido um perfil uniforme, com alguma estrutura mas não demasiado robusto, marcado principalmente por alguma macieza. Esta colheita de 2004, adquirida em 2010, apresentou-se com uma cor granada muito carregada e viva, sem qualquer sinal de evolução em demasia. Aroma não muito exuberante com algumas notas de compotas e fruta preta, sem qualquer traço dos pimentos verdes que por vezes marcam os aromas desta quando pouco amadurecida. Na boca mostrou-se macio e não muito estruturado, contrariamente às expectativas, que apontariam para um vinho mais robusto e sem estar marcado pela madeira em que estagiou durante 18 meses. Em comparação com uma prova da colheita de 1999 efectuada há alguns anos, este exemplar terá estado algo mais delgado que o anterior.

Em resumo, vinhos de boa qualidade e em muito boa forma (em especial os dois de lote), a mostrar que aguentaram bem a prova do tempo.

Kroniketas, enófilo esclarecido

Vinho: Fiúza Premium 2003 (T)
Região: Tejo (Almeirim)
Produtor: Fiúza & Bright
Grau alcoólico: 14%
Castas: Trincadeira Preta, Aragonês, Cabernet Sauvignon
Preço em feira de vinhos: 7,59 €
Nota (0 a 10): 7,5

Vinho: Herdade de Muge 2004 (T)
Região: Tejo (Muge)
Produtor: Casa Cadaval
Grau alcoólico: 14%
Castas: Não indicadas
Preço com a Revista de Vinhos: 6 €
Nota (0 a 10): 8

Vinho: Casa Cadaval, Cabernet Sauvignon 2004 (T)
Região: Tejo (Muge)
Produtor: Casa Cadaval
Grau alcoólico: 14%
Casta: Cabernet Sauvignon
Preço em feira de vinhos: 9,45 €
Nota (0 a 10): 7,5

Sem comentários: