sexta-feira, 3 de agosto de 2012

No meu copo 287 - Quinta da Alorna, Touriga Nacional rosé 2010

Este não poderia faltar neste conjunto de provas de brancos e rosés que têm acontecido nestas semanas deste Verão meio envergonhado. Depois de termos provado o rosé da Fiúza, era indispensável provar o da Quinta da Alorna, pois constituem a dupla dos meus rosés preferidos.

Tal como para o Fiúza, este Quinta da Alorna, produzido apenas com recurso à Touriga Nacional – que aliás tem dado origem a belíssimos vinho no Ribatejo, tanto tintos como rosés e quer a solo quer em lote com outras castas, nomeadamente o Cabernet Sauvignon – fermenta após um período de tempo ainda mais reduzido em contacto com as películas das uvas, neste caso apenas 8 a 12 horas. Resulta assim um vinho pleno de aromas e frescura, com nuances de morango e framboesa, seco e gastronómico, muito apelativo. Além disso é tão versátil que se bebe bem com praticamente tudo.

Nos últimos dias tive oportunidade de degustar por duas vezes a colheita de 2010 e o perfil mantém-se, as características estão todas lá. Ano após ano, desde que conheci este rosé, continua a ser um dos meus rosés de eleição, e esta colheita de 2010 não foge à regra. Os outros produtores deviam pôr os olhos nele. E pelo que custa tem uma relação qualidade/preço praticamente imbatível.

Kroniketas, enófilo refrescado

Vinho: Quinta da Alorna, Touriga Nacional 2010 (R)
Região: Tejo (Almeirim)
Produtor: Quinta da Alorna Vinhos
Grau alcoólico: 13%
Casta: Touriga Nacional
Preço em feira de vinhos: 4,75 €
Nota (0 a 10): 8,5

Sem comentários: