quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Krónikas do Alto Alentejo (II)



A serra, a vinha, o montado


Aqui em Portalegre a vida corre mais devagar, há mais tempo para tudo (até para não fazer nada), e estou a 900 metros do local de trabalho, 2 minutos de carro e 12 minutos a pé, e na periferia da cidade já estou em pleno campo, com um quintal, oliveiras à porta, passarinhos a cantar de manhã. Mas no centro da cidade vêem-se, sobretudo, estudantes de capa e batina, supostamente da Escola Superior de Educação e da Escola Superior de Enfermagem. A semana passada deve sido tempo de praxe: uma rapariga tinha metade da cara pintada de roxo e outra tinha na cabeça umas orelhinhas do tipo-rato Mickey (porque raio não as tirou ela, pensei eu?).

Ir ao supermercado é quase como um passeio, não há quase ninguém, nem bicha nas caixas, e há quatro supermercados para aí num raio de 500 metros (Modelo, Intermarché, Leclerc e Lidl) e três bombas de gasolina, sendo que a do Leclerc vende combustível entre 10 e 15 cêntimos mais barato que as outras. Isto do outro lado da rotunda que as separa... Ali ao lado a zona industrial, com as poucas fábricas que restam, mais para a esquerda um estádio junto a um kartódromo e a zona onde se concentraram há duas semanas os jipes para a Baja de Portalegre, que vim a saber depois que já vai na 21ª edição e é um dos clássicos todo-o-terreno do país e uma das provas mais importantes. Quando saí para o regresso a casa eles andavam por ali, junto ao IP2, e o estacionamento nas bermas prolongava-se por quilómetros.

Aqui à volta a vinha é omnipresente, assim como a oliveira e o montado, este mais a caminho de Estremoz. Ainda se podem ver uns rebanhos a pastar perto da estrada. Empregos é que parece que nem por isso. Os lanifícios já tiveram a sua importância mas fecharam. À semelhança do resto do país, parece que o comércio e os serviços predominam. Só me pergunto é: se poucos produzem, como é que todos compram?

Subindo a serra de S. Mamede encontram-se várias propriedades vitícolas. Já passei à porta da Adega da Cabaça, da Quinta do Centro (de que o enólogo Rui Reguinga é um dos proprietários) e passei ao lado das Altas Quintas sem dar por isso. Ainda hei-de voltar e procurar também a Tapada do Chaves. E na Adega Cooperativa de Portalegre passo todos os dias...

Kroniketas, enófilo viajante

Sem comentários: